sábado, 24 de agosto de 2013

(2013/951) "O Estado é laico, mas não é ateu"


"O Estado é laico, mas não é ateu".

Temos que descobrir quem foi o gênio que disse isso. Os que repetem, a gente releva. Mas quem inventou a frase tem que ganhar um troféu Débi-e-Lóide.

Dizer que o estado é laico é expressar a condição legal de sua laicidade - ele, o Estado, não assume uma religião oficial. Não há nada de subjetivo aí.

Estado não pode expressar subjetividade. Não pode ser ateu. Ateísmo é crença subjetiva. 

Mas, da mesma forma, o Estado tampouco pode ser crente, teísta, deísta, panteísta, qualquer ista que se invente. 

O Estado só pode ser teocrático ou laico. Laico, o nosso, reconhece a presença de pessoas religiosas, organizadas e em expressão civil e legal em seu espaço. Só isso. Nada mais.

O sujeito que disse que o Estado é laico, mas não é ateu, quer é, com essa lógica de circo de pulga, justificar que representantes do Estado, misturando sua fé e sua função, pronunciem-se a partir de sua subjetividade, passando por cima de quem não está interessado nela.

A cidadania reconhece a religião, mas a cidadania não a quer enfiando-se nos espaços públicos. E, se quer, não é cidadania - porque esse mesmo cidadão que quer Jesus enfiado em tudo quanto é gaveta pública, benze-se diante de Exu...

É preciso mais seriedade da liderança religiosa. Não podem levar a coisa como se fosse Fla-Flu...







OSVALDO LUIZ RIBEIRO

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Sobre ombros de gigantes


 

Arquivos de Peroratio

Ocorreu um erro neste gadget