sábado, 24 de agosto de 2013

(2013/952) Monoteísmo e Mal


Quando o mal disfarça-se em bem, e pior, disfarça-se em bem que se disfarça em alta filosofia, as consequências são terríveis. Disfarçado em bem e em filosofia, o mal encanta a todos - leigos religiosos e eruditos religiosos: uns, pela fé, outros, pela beleza da coisa toda, pela obviedade do conceito... E o mal impera...

Não conheço caso mais modelar, me mesmo caso mais terrível do que o monoteísmo - de todas as ideias religiosas que inventamos, essa, sem nenhuma dúvida, é a mais terrível: disfarça-se em bem e em inteligência filosófica - mas é um mal sutil e violento. Sutil, posto que disfarçado em Bem e Ser - violento, posto que exige a morte de todos os outros deuses, e, com eles, os seus fiéis.

O politeísmo, ao menos, é tolerante. Epistemologicamente, tem as mesmas características que o monoteísmo, mas suas implicações éticas são melhores: cada um tenha seu deus e viva a sua vida.

Já o monoteísmo, não: é um vírus terrível. O crente, por melhor pessoa que seja, torna-se uma besta-fera, que só a muito custo segura-se diante de outros religiosos - porque, dentro dele, todas as suas células lhe ordenam a que os condene e os obrigue a aceitar a sua própria fé.

Para se ser cristão e, ao mesmo tempo, uma pessoa ética, tem-se que fazer uma força horrível contra si mesmo.






OSVALDO LUIZ RIBEIRO

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Sobre ombros de gigantes


 

Arquivos de Peroratio

Ocorreu um erro neste gadget