sábado, 14 de fevereiro de 2015

(2015/198) Duas "teses" sobre religião e loucura


I. Tese:



- a experiência cerebral do religioso e a do "louco" (estritamente falando) é a mesma. Aliás, é a mesma da do cérebro de todos nós...

Nós, os "normais", conseguimos distinguir a (quase) todo instante o que é real e o que é imaginário.

O religioso transforma o imaginário em real e vive nele.

O louco vive no imaginário o tempo todo, ou nos momentos de surtos.

A diferença entre o religioso e o louco é que o religioso pode desligar o mecanismo que o engana a qualquer momento - se é religioso e não louco...

Já o louco, não.

Faz sentido, Hiran Pinel?
Faz sentido, Mary Rute Esperandio?



II. Tese:

- há religioso/religiões que emulam a estrutura da loucura, e há religiosos/religiões que conseguem afastar-se para uma zona de administração deses mecanismos psico-patológicos.

A religião que se traduz pelos mecanismos da loucura é a que impõe ao religioso viver 24 horas dentro do universo mágico-louco da religião: as religiões intimistas-subjetivas são desse tipo - a evangélica, por exemplo...

Mas há religiões de clientela. O sujeito vive a vida dele sem qualquer preocupação com o mundo da loucura religiosa, mas, de repente, alguma coisa acontece na vida dele e esse sujeito entende que precisa operar um rito qualquer, como quem toma um remédio. Ele, então, vai ao espaço religioso, opera o rito, "resolve" a situação e volta para seu mundo.

Faz sentido, Hiran Pinel?
Faz sentido, Mary Rute Esperandio?












OSVALDO LUIZ RIBEIRO

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Sobre ombros de gigantes


 

Arquivos de Peroratio

Ocorreu um erro neste gadget