sexta-feira, 13 de fevereiro de 2015

(2015/180) Fragmentos facebookianos


I.

Acho que a única vez que certamente eu não estou errado...
... é quando eu digo que sempre posso estar errado...



II.

Ajuntar-se com alguém para saborear na alma o doce fruto que é falar mal de terceiros, escorrer-se maledicências pelas referências do ausente, da ausente - certamente transformadas essas referências pelo despeito e pela inveja. Difícil compreender almas assim. Mas elas existem e, eventualmente, encontram-se à roda de uma mesa de queijos e vinhos...


III.

Desses mais detratores do que comentaristas honestos, manda-me essa pela cara: Osvaldo, você faz muitas generalizações, e toda generalização é burra, Osvaldo... E eu, rindo (sempre rio da argúcia dos que se consideram espertos), lhe retruco: inclusive essa que acabo de ouvir?, ou você tem salvo conduto?

https://www.facebook.com/osvaldo.l.ribeiro/posts/785563214857584


IV.

O pós-moderno historiador está às voltas com a certeza de que a História não é mais do que um Romance ficcional sobre os Homens e, então, para demonstrá-lo, escreve uma História da História Como Romance...

https://www.facebook.com/osvaldo.l.ribeiro/posts/787046201375952








OSVALDO LUIZ RIBEIRO

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Sobre ombros de gigantes


 

Arquivos de Peroratio

Ocorreu um erro neste gadget