sábado, 26 de outubro de 2013

(2013/1237) Is 65,18 e a unção dos púlpitos


Is 65,18, em Hebraico, diz, ao pé da letra: "eis que eu crio Jerusalém, alegria, e o povo dela, júbilo". Você não vai encontrar Bíblia que traduza assim. Vai encontra coisas do tipo: "eis que eu crio em Jerusalém alegria" ou "eis que eu crio para Jerusalém alegria"... Os tradutores não estão preparados para se deparar com declarações que não correspondem à sua própria doutrina. Para eles, criar Deus criou é em Gênesis, de modo que, em Isaías, tem de ser outra coisa...

Esse fenômeno de o tradutor alterar radicalmente o sentido do texto Hebraico não é raro: e não é coincidência que se manifeste de modo superlativo em passagens com implicações teológicas mais graves.

O curioso é ouvir sermões "ungidos", para os quais o pregador cita esses textos. Ele ora, jejua, faz ascese, põe terno, diz que o Espírito Santo vai ungir, pede para Deus falar e não apenas usa a tradução errada como Deus ainda fala tudo errado pela boca ungida...

A isso se tem chamado de unção...

Trocaria toda essa unção por dois dias de estudo.









OSVALDO LUIZ RIBEIRO

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Sobre ombros de gigantes


 

Arquivos de Peroratio

Ocorreu um erro neste gadget