sábado, 27 de fevereiro de 2010

(2010/167) A Fonte do Dragão


1. Em Neemias 2,13, há uma referência a uma Fonte do Dragão (em hebraico, 'ên hattannîn), em Jerusalém:
"e, de noite, saí pela Porta do Vale, para a banda da Fonte do Dragão e para a Porta do Monturo, e contemplei os muros de Jerusalém, que estavam fendidos, e as suas portas, que tinham sido consumidas pelo fogo". Isso é muito curioso, porque há muita gente que se sente verdadeiramente ofendida, quando se diz que há mitos na Bíblia. Ora, uma "Fonte do Dragão" não pode ser outra coisa que não um mito...

2. Bem, sim e não. A fonte em si é bem real (cf. mapa abaixo). A forma de designá-la é que, aí sim, faz-se por meio do recurso ao mito. E um mito muito interessante...

3. A biblioteca David Malta Nascimento, do Seminário Teológico Batista do Sul do Brasil (Faculdade Batista do Rio de Janeiro) possui muitos livros do início do século XX, trazidos para o Brasil pelos missionários estadunidenses que construíram as instalações. Dentre tantos livros, muitos são de arqueologia - disciplina que, entre o final do século XIX, e início do XX, explodia em fama. Eram dias em que ainda se julgava que, cavando-se a terra da Palestina, as narrativas bíblicas, que as novas ciências iam pondo dia a dia em dúvida e descrédito, revelar-se-iam veríficas.

4. Num desses livros, já muito amarelado pelo tempo, comenta-se sobre essa fonte, e especula-se que ela tenha surgido quando da ocasião de um terremoto, como um daqueles a que se refere Amós 1,1. O terremoto teria provocado o surgimento de uma fonte nova, inexistente antes dele, de modo que, assim, a nova fonte teria recebido o nome sugestivo de Fonte do Dragão. Uma imagem estilizada tanto da própria fonte, quanto de sua localização, pode ser observada na imagem abaixo que, se clicada, remete o leitor a um mapa de Jerusalém, dado como de 1650.

5. Por que Fonte do Dragão? Porque os povos todos do Oriente Próximo Antigo, incluídos aí judeus e israelitas, criam num mito cosmogônico - mito de "criação do mundo" - muito peculiar. No início, o(s) deus(es) criador(es) lutaram contra um dragão aquático e o venceram. Com seu corpo, criaram a terra e o céu. Assim, sob os pés dos homens, lá embaixo, nas profundezas da terra, jaz o corpo do dragão. De vez em quando, ele se mexe, sacode o corpanzil, e, nessas ocasiões, a terra, que ele sustenta, também sacode. Uma vez que a terra tremeu em Jerusalém, e a fonte jorrou, nada mais justo - eis, brotando, a Fonte do Dragão... Na Bíblia, referências diretas ou indiretas a esse mito podem ser lidas em Is 27,1; 51,9; Jr 51,34; Jó 7,12; Sl 74,13, por exemplo.


6. Penso que, por esses dias em que vivemos, o Dragão está um tanto quanto agitado. Mexeu-se há algumas semanas, e destruiu completamente a capital do Haiti. Agora, mexeu de novo, e arrasou o centro-sul do Chile, num terremoto de 8,8 graus na escala Richter. O Dragão está tentando se soltar... Aliás, para sermos honestos, não há dia em que ele não se mexa... Um dia, contudo, ele há de mexer com tanta força e violência, que talvez não sobre nenhum de nós para contar a história.


7. Por outro lado, talvez não seja o caso. Talvez os mitos não estejam de todo certos. Talvez os dragões não sejam os inimigos. Talvez seja, afinal, um Dragão a guardar nossa Galáxia!







OSVALDO LUIZ RIBEIRO

PS. Ih...! Se Pat Robertson descobre esse mito, aí que vai ter pruridos de ir a público para afiançar, evangelicamente, que o Haiti tem um pacto com o diabo, e, o Chile, com o Dragão...

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Sobre ombros de gigantes


 

Arquivos de Peroratio

Ocorreu um erro neste gadget