quinta-feira, 2 de abril de 2015

(2015/372) Jesus e Beyoncé, o mestre e as crianças - um segredo de polichinelo

O segredo é o seguinte. O clero inventa um modo de jogo. É assim: tudo que seu mestre mandar, faremos todos. Aí, as crianças aceitam jogar. Tudo, pois, que seu mestre manda, as crianças fazem. Mais: tudo o que seu mestre diz que é assim é assim. Se o mestre diz, é. Se o mestre fala, é. Tudo o que é real é real porque o mestre disse que é real e tudo que o mestre diz que é irreal é irreal porque o mestre diz que é.

Está entendendo até aqui?

Pois bem, tudo no cristianismo é real porque os mestres do cristianismo dizem que é real e, então, as crianças do cristianismo tomam com o real. E tudo que no cristianismo é irreal é irreal porque os mestres do cristianismo dizem que é irreal e as crianças do cristianismo tomam por irreal.

Continua entendendo?

Pois bem. O protestantismo inventou de dizer - mas nunca levou a sério, não se preocupem! - que não tem mestre, só crianças. Sim, eu espero, pode ir ali morrer de rir e volte...

(...)

(...)

Já? Precisa rir mais um pouco, não é? Eu entendo... É, de fato, uma piada e tanto... Eu espero...

(...)

(...)

Continuemos. O princípio protestante, que nunca deixou de ser apenas isso, princípio, já que nunca foi posto em prática, nem será, é, todavia, correto. Sociologicamente correto. Antropologicamente correto. Psicologicamente correto.

Por exemplo: se algumas crianças decidem que Bey é divina - divina, eu disse, porque diva ela já é, então, ela é divina. Ora, meus amigos, são as pessoas que decidem isso. Há muito tempo, alguém cismou de dizer que Jesus era divino. Colou. Hoje, alguém cisma de dizer que Bey é. É assim que funciona. E se vai ser o mestre ou a crianças que vão dizer quem é divino e quem não é, quem é real e quem não é, quem é irreal e quem não é, isso não faz a menor diferença, porque sempre é alguém a dizer e alguém a crer - ou não.

A única realidade aí é a psicológica e a político-sociológica.

Mais nada.

De sorte que podem ir brincar de Church of Bey, crianças, sem susto, assim como se brincam de Jesus divino...

Mas, por favor, não entreguem a Igreja a um mestre...

Deixem as crianças ir a Bey, já que não podem mais ir a Jesus...












OSVALDO LUIZ RIBEIRO

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Sobre ombros de gigantes


 

Arquivos de Peroratio

Ocorreu um erro neste gadget