quinta-feira, 2 de abril de 2015

(2015/376) Das memórias boas e ruins

Acordar de madrugada, ir ao Ceasa com minha mãe e ela comprar um guaraná Antártica e um pastel para eu lanhar...

Estar na fila para entrar em classe, a professora avisar que vai ver se os alunos estão com as unhas cortadas, olhar para o portão, lá no fim do corredor, ver minha mãe fazendo sinais, que eu interpreto como que querendo saber como estão minhas unhas, e eu fazer assim com o polegar, porque tudo está bem e me sentir amado...

Vir da casa de minha tia, no Natal, já tendo sido avisado que não teremos presentes, porque não há dinheiro, e, chegando em casa, descobrir que há presentes, baratinhos, é verdade, mas há...

Uma chuva torrencial em Mesquita, a Avenida São Paulo inundada e com uma correnteza que arrastaria qualquer um, nós na sala da casa de minha avó, passando o primeiro desenho da Mônica na TV - O Natal da Mônica...

Eu tenho poucas, mas resistentes imagens na minha memória. São muito poucas - as boas. As ruins são muitas. Demais.

Posso fechar os olhos e sentir, de novo, aquela mesma sensação...

As boas e as ruins.

O problema é que as lembranças ruins são mais eficientes, são mais numerosas, estão sempre aqui...










OSVALDO LUIZ RIBEIRO

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Sobre ombros de gigantes


 

Arquivos de Peroratio

Ocorreu um erro neste gadget