sábado, 17 de maio de 2014

(2014/462) Dois rapazes de mãos dadas


Caminhávamos Bel e eu por uma das ruas de Vitória, penso que estávamos caminhando na orla, isso, na calçada dos prédios da orla de Mata da Praia, quando vimos um casal de rapazes à nossa frente.

De mãos dadas, quase da mesma altura, caminhavam, já próximos da esquina onde Bel e eu viraríamos, tomando o caminho de casa.

Formavam um casal bonito. Um, extrovertido, gesticuloso, de boné virado ao lado. O outro, mais contido. Se se separassem, cada um de um lado da rua, um deles não disfarçaria sua condição gay. O outro, talvez até me atendesse em alguma loja e eu sequer perceberia.

Olhei-os com olhos de carinho. Vi-os em sua absoluta isonomia em relação a Bel e eu. Fosse o caso, sentaríamos com os dois, tomaríamos um sorvete ou beberíamos um suco, enquanto jogamos conversa fora.

Dois garotos, dois namorados, e Bel e eu, os mesmos garoto e garota de há 27 anos. Que diferença? Nossos .40 e os .20 deles? E isso é diferença? Talvez, pensei, fossem até mais religiosos e místicos do que Bel e eu...

Desejei profundamente a naturalização radical da condição deles, a aceitação radical, de nossa parte, da condição gay, da capitulação de todos diante do óbvio.

Que sentido faz - nenhum! - a rejeição ao amor gay? Ah, a religião - pois que se dane a religião! As pessoas valem infinitamente mais do que qualquer punhado de tolices, por mais pregadas em paramentos dourados que sejam...

Se querem, mesmo, ser religiosos, sejam acolhedores!

Todo o meu desejo, pois, vai na direção de um país que supere definitivamente a sua patologia homofóbica, travestida no que quer que seja.

Todo meu desejo vai na direção de que nossa sociedade vença seu medo, seu preconceito, sua religiosidade nociva e nefasta, naquilo que ela tem de nefasta e nociva...

Todo meu desejo vai na direção da superação, por parte de cada um de nós, de todos os limites pessoais, psicológicos e inconscientes que nos mantém intolerantes e intragáveis...

Vi naquele casal um futuro possível.

Desejei esse futuro.

E o desejo agora.







OSVALDO LUIZ RIBEIRO

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Sobre ombros de gigantes


 

Arquivos de Peroratio

Ocorreu um erro neste gadget