domingo, 30 de março de 2014

(2014/090) Enquanto ele crer, fará sentido


É sempre assim, porque é assim que funciona: enquanto ele crer, fará sentido - nada há que se possa dizer, revelar, mostrar, nada, nem na História, nem na Psicologia, nem na Antropologia - nada. A fé já vem vacinada e com dezesseis saquinhos de anti-corpos...

Mas um dia, por qualquer razão, ele arranha a face da crença e nasce, lá, um pequeno vermelho, uma brotoeja de dúvida - e ela coça! Se ele coçar, pronto, lentamente, às vezes, na velocidade da luz, outros dias, sob o próprio peso a crença se esboroa como monte de areia, e nada mais faz sentido, nada - nem que lhe enfiem trinta e sete rosários nos ouvidos ou quinze Institutas nas retinas...

O sentido não está na crença, mas na hipnose de crer, no desejo de acreditar - e só...

Por isso ele vê todos os defeitos e todas as contradições em todas as outras fés - menos na dele. Para a própria fé, todo crente é cego.








OSVALDO LUIZ RIBEIRO

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Sobre ombros de gigantes


 

Arquivos de Peroratio

Ocorreu um erro neste gadget