sexta-feira, 4 de outubro de 2013

(2013/1152) Dessa invenção chamada coisa-texto


O que fazer? Arriscar-se em uma aventura arqueológica e psicológica, história e social, para tentar - e como saber se foi possível? - "ouvir" o que se disse, lá e então, em um texto? Ou, ao contrário, apropriar-se das palavras, da sintaxe, da semântica, da gramática, da narrativa, das personagens, e dar ao texto o sentido que se quer e deseja e pode?

Para fugir dessa alternativa dolorosa, inventaram de dizer que há o texto-em-si, o "mundo do texto" e, em um passe de mágica, esconde-se o Homem que escreve e lê - para tornar a coisa "científica", mata-se não apenas o escritor, mas, também, o leitor...

Umberto Eco e Ricoeur gostaram de considerar essa terceira alternativa: mundo do texto.

Eu suspeito que enganaram-se ou nos enganaram... 

Eu suspeito que não há algo como um mundo do texto - suspeito que haja apenas a velha alternativa dolorosa: ou você tenta ouvir o escritor, ou vai ouvir sua própria voz, fazendo de conta que não...







OSVALDO LUIZ RIBEIRO

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Sobre ombros de gigantes


 

Arquivos de Peroratio

Ocorreu um erro neste gadget