domingo, 25 de agosto de 2013

(2013/956) A religião pode - digo, pode - cegar aqueles que cuidam iluminar a estrada do povo


Pastores e pastoras, presbíteros e presbíteras, gente de igreja que lida com gente de igreja, que se considera guia e porta-voz.

Duas lembranças que nos deixariam, a todos, mais seguros.

Sua própria tradição guardou a memória de que, "naquele dia", muitos chegarão diante "Dele", trata-lo-ão como "Senhor! Senhor!", mas ele não os reconhecerá nem aceitará... De modo que passar a vida a falar "Senhor! Senhor!" não estabelece qualquer significado necessário...

A segunda lembrança é que pastores e presbíteros, cardeais, bispos, papas e todos os títulos, no exercício de sua fé, desde sua batista e terno, com hóstia na mão e vinho no cálice, rezavam e oravam a Deus, enquanto negros eram oprimidos pelos crentes e católicos. A religião pode arrancar os olhos da cara e tratar o mal como bem.

Logo, seria prudente, sempre, que, em lugar da posição de sabedores do bem e do mal, perguntassem-se se há alguma possibilidade, por remota que seja, de não termos, ainda, troncos espalhados pelas casas de todos nós.

Para encerrar - se, lá e então, reunissem-se todos os pastores e bispos, ovelhas e madames, chegariam à conclusão de que estava tudo bem, já que grito de preto não conta.

Hoje, não respondam à pergunta se ainda há troncos que a igreja finque consultando-se uns aos outros - perguntem àqueles que carregam na carne o tronco todo dia.

Ouçam, pastores, os pretos de hoje, posto que não ouviram os pretos de ontem.







OSVALDO LUIZ RIBEIRO

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Sobre ombros de gigantes


 

Arquivos de Peroratio

Ocorreu um erro neste gadget