sexta-feira, 20 de março de 2015

(2015/292) "Tudo é descrição da realidade"...

No livro Filosofia da Ciência, Rubem Alves compara o discurso científico ao discurso do menino de uma tribo africana. Hoje, ouvi de novo o discurso: a leitura que o religioso faz da realidade é comparável à leitura, por exemplo, do antropólogo...

Bem, eu posso estar louco, posso mesmo; posso ter sido tomado por algum vírus; meu cérebro pode ter-se corrompido e me enganado, mas eu serei honesto para dizer que não são comparáveis não...

Ora, Osvaldo, ambos descrevem a realidade...

Não, não descrevem. O pensamento do religioso é a leitura do mundo a partir de um mito, mito que é um conteúdo, um discurso prévio dado sobre a realidade. O discurso do antropólogo, não: é uma aproximação crítica a partir de regras, acordos, princípios, que devem ser universais em sua aplicação...

Mas deve-se respeitar o modo como o religioso...

Pára. Por favor, pára. Ninguém está discutindo política aqui... Desde que o religioso não se meta com infrações legais, ele pode pensar da realidade o que quiser, pode andar de cabeça para baixo, se quiser. A discussão é heurística: e, cá entre nós, amigos, retórica e prestidigitação à parte, quando o religioso, qualquer que seja, lê a realidade como fundamentada em deuses, espíritos e que tais, bem, preciso dizer mais alguma coisa...?









OSVALDO LUIZ RIBEIRO

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Sobre ombros de gigantes


 

Arquivos de Peroratio

Ocorreu um erro neste gadget