quarta-feira, 11 de fevereiro de 2015

(2015/176) Ainda sobre Teologia na "academia"

Se acadêmica, a "abordagem teológica" a um fenômeno qualquer, quanto mais em explícita "concorrência" com abordagens das ciências humanas, não pode - risco meu de dizê-lo - fazer-se em perspectiva cripto-doutrinária. Que têm os deuses a ver com qualquer fenômeno humano? Nada. Sequer podem ser nomeados. A crença neles, sim, e isso é tudo quanto resta para nós, acadêmicos, se vamos jogar o jogo da academia - mas os deuses, definitiva e irrevogavelmente, não!

Assim, não é acadêmico, logo, sequer deveria ser levado em consideração, trazer qualquer elemento mitológico - ou, na linguagem domésticas da fé cristã: de crença - para o enredo da discussão e dar a ele tratamento ontológico, como se os deuses fossem "dados", informações, coisas independentes da fé, com os quais seria óbvio lidar. Não, não é: os deuses não são nada além da fé, se o jogo que se joga é acadêmico, de modo que não há como trazê-los para a arena...


Seja o que for o que se queira chamar de abordagem teológica, por favor, senhores, vamos deixar os fantasmas, as assombrações e os contos dos irmãos Grimm no recreio.

Eu posso assumir publicamente - quero dizer, eu, Osvaldo Luiz Ribeiro, - posso assumir publicamente que é necessária uma abordagem teológica de um determinado fenômeno, mas eu o faria, apenas, depois: a) de definido o que é teologia acadêmica e b) do que seria teológico, então, que não fosse, primeiro, outra coisa...








OSVALDO LUIZ RIBEIRO

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Sobre ombros de gigantes


 

Arquivos de Peroratio

Ocorreu um erro neste gadget