sábado, 24 de maio de 2014

(2014/495) Da faculdade biológica humana de a tudo antropomorfizar


Não fora a faculdade humana de tudo personificar, de tudo antropomorfizar, de a tudo emprestar a sua própria condição humana e pessoal, não teria havido religião. O fundamento da religião é, em última análise, muito mais biológico do que se gostaria de admitir...

Ah, claro, vamos à vulgata: é na cultura que se desdobra o fenômeno e é na cultura que se enchem os espaços da grandeza "religião"...

Um lugar-comum: o que é que, sendo humano, não é aí que se desdobra?

Agora, voltemos àquela questão: antropomorfização de tudo... Feuerbach está certo, mas, antes dele, há duas coisas: uma, Marx viu que faltava - por que ele o faz?, porque ele projeta-se em entidades antropomórficas nos espaços celestes? E a outra coisa, precisamos ver com mais clareza: como ele pode fazê-lo? Que mecanismo é esse que o permite?

A primeira questão é político-social.

A segunda, biológica.







OSVALDO LUIZ RIBEIRO

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Sobre ombros de gigantes


 

Arquivos de Peroratio

Ocorreu um erro neste gadget