domingo, 20 de abril de 2014

(2014/284) Religião, como droga, em doses controladas - é possível?

Talvez se pudesse considerar que a condição da religião como ópio dá a ela a mesma característica que aos narcóticos e drogas de modo geral...

Vejam o vinho: uma ou duas doses, abre a criatividade, desinibe e "melhora" as relações, faz até algum bem à saúde, dizem. Mas doses demais, desgraça...

Dizem a mesma coisa dos alucinógenos e narcóticos: em doses controladas, criam romances, poesias, filmes, quadros, arte. Em doses exageradas, desgraça...

Talvez a religião seja assim - em pequenas doses, vá lá, que mal faz? 

O problema é - qual é a dose adequada?

Porque, diferentemente das drogas, a religião, quanto maior a dosagem, mais autorizado se torna para o religioso dar como bom e bem aquilo que é anti-ético, mal e perverso, de modo que doses cavalares de religião tornam a pessoa um perigo social...
Há como controlar, todavia, as doses?

E, mesmo em doses controladas, faz da religião outra coisa que uma droga?







OSVALDO LUIZ RIBEIRO

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Sobre ombros de gigantes


 

Arquivos de Peroratio

Ocorreu um erro neste gadget