quinta-feira, 3 de abril de 2014

(2014/118) Sobre a ira dos pregadores tradicionais contra os pregadores de prosperidade


Não vejo tanta indignação pelo discurso genocida e pervertido de um "Deus" que mandará ao inferno dois terços da humanidade. Não, não vejo: pelo contrário - vejo isso sendo repetido nauseabundamente, domingo após domingo, no anúncio das "boas novas" - inferno, céu, inferno, céu, inferno, céu... O quê? Não quer o céu? Ao inferno! Todo domingo. 

Não, não vejo tanta reclamação quanto a isso, tanta denúncia dessa patologia ética e moral, travestida de altíssima revelação e teologia. Uma bestialidade de anjos...

Mas contra a teologia da prosperidade, essa outra estupidez enorme, ah, quanta gente "boa" se sente "movida pelo Espírito" para a denúncia!

Cá entre nós - trocaria todas as igrejas de "inferno" pelas igrejas de prosperidade. Todas. Pensem o que quiserem quanto a isso...

Mas desconfio que a ira que têm das igrejas de prosperidade os pregadores tradicionais é que elas não repetem o discurso "ortodoxo" deles - céu, inferno. Não trabalham para a manutenção do seu jogo e discurso, mas subvertem toda a regra e ordem, criando discursos novos, relações novas e, sobretudo, poderes novos.

No fundo, é ciúmes. Porque, ética por ética, falta nas duas - perversão por perversão, está tudo na casa de Deus...






OSVALDO LUIZ RIBEIRO

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Sobre ombros de gigantes


 

Arquivos de Peroratio

Ocorreu um erro neste gadget