quarta-feira, 21 de agosto de 2013

(2013/914) Exegese não é para todos, não é para todas, é apenas para quem deseja - por isso, nada de desespero


Viviane Coelho, com as mãos no cabelo e ares presepeiros de desespero ensaiado, disse assim: mas é nunca que a gente conseguirá uma coisa dessas, professor...

Sim e não, Vivi.

Sim, nunca. Se algum estudante não tem a vocação de trabalhar com os textos, não vai dedicar a eles as horas necessárias - quantas? Todas, menos as que não der. Não faz falta. O mundo não acabará e o sentido da vida não passa por esses textos nem mesmo pela sua exegese técnica. O que importa é ser boa esposa, boa mãe, boa filha, boa cidadã, boa amiga, boa profissional, boa aluna...

Não, não é verdade. Qualquer um de vocês - qualquer - que sinta o fogo do desejo arder no peito (como um dia eu senti), lá em Mesquita, Baixada Fluminense, poderá fazer a mesma coisa que eu, igual ou melhor. Desde que, desejando tanto, estude, treine, gaste tempo. Qualquer um.

Não serei tolo de imaginar que qualquer um o fará - mas acredito que qualquer um pode fazê-lo - e a chave é o desejo.

Não, não, não. Nada disso: quem não tiver o desejo não é pior do que quem tem. Não estamos falando disso. Quem não tem o desejo por exegese bíblica, pode ter o desejo por outra coisa - que fará tão bem quanto exegese, se tivesse o desejo.

Mas eu dou aulas pensando em quem tem o desejo - quero que essa pessoa veja o que pode fazer, onde possa chegar, e chegue, e passe, e morra de felicidade...







OSVALDO LUIZ RIBEIRO

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Sobre ombros de gigantes


 

Arquivos de Peroratio

Ocorreu um erro neste gadget