domingo, 17 de março de 2013

(2013/263) "Ninguém vem ao pai senão por mim"


1. Eu duvido que Jesus de Nazaré um dia tenha dito essa frase. Apostaria minhas fichas, que não são muitas, na hipótese de que foi a comunidade joanina, por conta de sua briga com os fariseus, do que parece ter decorrido sua expulsão da sinagoga, que atribuiu a ele essa declaração.

2. Não acho que Jesus pensasse dessa forma - não porque fosse ele, então, um pluralista, "moderno". Mas porque não vejo que os conflitos que ele enfrentou demandassem esse tipo de construção retórico-teológica de guerra.

3. Jesus lutava contra Roma e contra o poder sacerdotal, bem como o poder religioso de modo geral: era um confronto político-religioso, não teológico-religioso. O que estava em jogo, quero crer, era como Deus queria que se vivesse em Israel, não quem é que podia levar alguém até Deus, ou quem o tinha nas mãos, quem era seu representante único...

4. Já a comunidade joanina tinha problemas de teologia com duas frentes bastante formidáveis - os judeus, que insistiam na prioridade de Moisés e da Torá, e os discípulos de João, o batista, que insistiam na preeminência de João sobre Jesus.

5. Nesse contexto político-teológico, a comunidade reage de modo violento: nem judeus nem o batista têm acesso a Deus, só "nós", a comunidade - para o dizer, põe na boca de Jesus a sua própria máxima. Quando fazem Jesus dizer que ninguém vai ao Pai senão por ele, isso significa que ninguém tem Deus a não ser a própria comunidade.

6. Um risco para minha tese: em que nível se teria dado o eventual conflito histórico entre o próprio Jesus e o batista? Se houve algum conflito entre eles - conflito no sentido de um dos dois serem a "porta", talvez aí se encontrasse um contexto ecológico para a emergência retórica de um discurso de "eu sou o cara, e não você" - e minha hipótese estaria fragilizada, se não, já, inviabilizada...

7. Todavia, até que ponto o conflito evangélico entre Jesus e o batista não reflita apenas o conflito posterior entre discípulos de um e de outro, esses sim, agora, determinando quem é quem, quem é o verdadeiro representante de Deus, essa bobagem que sói ocupar a vida de beatos...

8. Como é disse - é uma hipótese.

9. Talvez você descreia dela, prefira a hipótese de dois mil anos.

10. Mas não se esqueça de que, quem o disse, de fato, foi a comunidade joanina. Foi ela que disse que Jesus teria dito. No fundo, para assumir a hipótese de dois mil anos, você terá de fazer exatamente o que a comunidade queria: crer na comunidade... É nela, em última análise, que você deposita a sua fé.





OSVALDO LUIZ RIBEIRO

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Sobre ombros de gigantes


 

Arquivos de Peroratio

Ocorreu um erro neste gadget