segunda-feira, 29 de fevereiro de 2016

(2016/025) Sobre o elemento político do fundamentalismo

Tese (que, na verdade, é uma contra-tese em relação a vários livros sobre fundamentalismo): os fundamentalismos cristãos, islâmicos e judaicos só apresentam desdobramentos políticos porque as plataformas teológicas cristãs, islâmicas e judaicas são intrinsecamente teocráticas, de sorte que a politização do fundamentalismo não é uma característica intrínseca ao fenômeno fundamentalista, mas à base teológica sobre a qual ele opera.

Para se derrubar essa tese, dever-se-ia localizar um movimento fundamentalista que se desdobra sobre plataforma teológica não-política, não-teocrática, que, todavia, se desdobra em fenômeno de fundamentalismo político dessa plataforma. Desconheço.

Isso poto, resta dizer que o grande mal do fundamentalismo é que ele leva a sério demais o elemento intrinsecamente teocrático, logo, político, da sua matriz "não-fundamentalista"...

Quem não tem jogo de cintura para fazer de conta que é o que não é e que não é o que é cai no fundamentalismo. Ou apostata...







OSVALDO LUIZ RIBEIRO

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Sobre ombros de gigantes


 

Arquivos de Peroratio

Ocorreu um erro neste gadget