domingo, 5 de abril de 2015

(2015/396) O momento máximo da apropriação da mente ocidental pelo mito dos mitos

O momento máximo da apropriação da mente ocidental pelo mito greco-cristão racionalizado é a Teologia Negativa. Ela é um mingau de Platão-Agostinho-Aquino, refinado, quintessenciado, destilado até que não sobre nenhuma aparência de mito - do mito! - e tudo pareça puríssima e refinada "filosofia"... O processo é tão bem feito que quem se entrega a ele, a essa fé refinada, fé culta e cult, considera que abandonou as doutrinas, quando, a rigor, ele agora é vítima da doutrina das doutrinas, aquele que se esconde, que se camufla e, portanto, não pode mais ser denunciada pela própria consciência...

... mas pode.

A Teologia Negativa e a teologia de Tillich ("Deus é símbolo para Deus") contém uma petição de princípio inexorável: se Deus não se deixa conhecer, como se conhece que há um Deus?

É pura retórica.

Como eu disse - é a evolução máxima do sistema doutrinário, em simbiose programática com o sistema filosófico.

Junte-se a ideia - sempre platônica! - do UNO e veja a festa na cabeça do sujeito: Deus sai para entrar de novo...










OSVALDO LUIZ RIBEIRO

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Sobre ombros de gigantes


 

Arquivos de Peroratio

Ocorreu um erro neste gadget