quarta-feira, 25 de março de 2015

(2015/326) Não, textos não são "um mecanismo concebido com a finalidade de fazer com que surjam interpretações"

"Um texto (...) é um mecanismo concebido com a finalidade de fazer com que surjam interpretações".

Leia isso dez vezes...

Quem o escreveu é um dos maiores romancistas do mundo, e um teórico famoso no campo da semiótica: Umberto Eco...

Há quem ache que, lendo um teórico famoso, eu só posso ajoelhar-me, prostrar-me aos pés e chorar de gozos espirituais...

Está perdido comigo. Eu estou imprestável para essas pantomimas e macaquices...

Poucas coisas tão equivocadas foram escritas no mundo.

Poucas.

Essa é digna de estar registrada nos anais dos maiores improcedimentos teóricos do planeta - e seguro-me para não usar palavras que eu uso nas páginas dos livros que leio, e que chocam colegas que me pegam os livros a ler e encontram ali meu coração e alma.

Não é verdade que textos foram concebidos com a finalidade de fazer com que surjam interpretações.

Não, não e não.

Textos foram concebidos como meios de comunicação.

E textos são usados como meios de comunicação.

As interpretações são desdobramentos e risco do processo. Não fazem parte do projeto de textos. Quem escreve textos - salvo quem brinca com eles, o que é legítimo - quer comunicar-se, e se interpretam-no errado ele há de ficar aborrecido. Salvo se não imprimiu no seu texto nenhuma preocupação de ser compreendido, o que não é o caso de uma quantidade de ocorrências que pudesse ser tratada como representativa do fenômeno "escrever textos"...

O fato de que teóricos tenham por objeto as interpretações, as polissemias, os ruídos, não lhes dá o direito de transformar o todo na parte que desejam observar...

Fenômeno corriqueiro esse: o teórico pinta com seu objeto o universo inteiro dos objetos...

É um caso para Freud...

Ou Marx...












OSVALDO LUIZ RIBEIRO

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Sobre ombros de gigantes


 

Arquivos de Peroratio

Ocorreu um erro neste gadget