segunda-feira, 9 de fevereiro de 2015

(2015/160) Da crítica à religião como impedimento metodológico-epistemológico para o pesquiosador

A crítica da religião é interpretada como postura não conforme à "independência" valorativa que se deve ter quando o objeto de estudo é a religião... É o que se diz...

Vejo dois problemas nessa tese.

Primeiro: impossível estudar crimes, violações de direito, violência doméstica, abuso de crianças, tudo isso tema/objeto de pesquisas necessárias - mas não se pode estudar, porque se é naturalmente crítico de tudo isso e, todavia, não se pode ser crítico do objeto...

Não seria mais coerente considerar-se que a crítica não é um problema, em tese, desde que não interfira na pesquisa? Mas o que parece estar em jogo é o desejo de supressão da crítica...

Segundo: ora, meus amigos, se a crítica é um empecilho, então que o envolvimento direto com a religião também o seja: por que religiosos profissionais poderiam pesquisar a religião - e isso não lhes pesaria metodológica e epistemologicamente - e um crítico, não? Por que um pastor poderia e um não pastor, critico, não? Ou, sendo menos radical - porque o "amor" do religioso à religião seria menos prejudicial, em termos heurísticos, do que a crítica de um crítico?

Sobrará, então, para os indiferentes fazerem pesquisa...

Mas os há?

Resumo da ópera: sou crítico, mas acho que posso dar conta do recado.









OSVALDO LUIZ RIBEIRO

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Sobre ombros de gigantes


 

Arquivos de Peroratio

Ocorreu um erro neste gadget