sábado, 24 de janeiro de 2015

(2015/119) Não há ranking estético

No campo estético, não há ranking possível. De nenhuma espécie. Não há uma fita métrica com que se meça o grau de perfeição estética universal. Trata-se de uma questão personalíssima, subjetivíssima, idiossincrática. Alguém pode adorar Bach e outro pode adorar Kiss, um pode adorar Legião e outro pode adorar Zezé de Camargo.

Agora, pode-se politizar a coisa - em lugar de se considerar a experiência estética, estabelecer as letras e a ideologia política delas como critério. Bem, nesse caso não se trata mais de estética.

De modo que quando a gente coloca A ou B na frente de C ou D, é porque não estamos mais pensando a coisa pelo critério estético, mas estabelecemos outros critérios, eventualmente válidos.

No campo estético, só é possível falar "eu prefiro". E mais nada.









OSVALDO LUIZ RIBEIRO

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Sobre ombros de gigantes


 

Arquivos de Peroratio

Ocorreu um erro neste gadget