quinta-feira, 19 de junho de 2014

(2014/627) Fragmentos facebookianos


I.

The National Church Of Bey tem tudo para ser aclamada como uma belíssima criação no campo dos Novos Movimentos Religiosos: é um culto da "deusa" e uma espécie de retorno secularizado dos cultos de fertilidade... Não, Beyoncé está longe de ser Maria - está mais para Kali ou Afrodite (ou, quem sabe, uma cruza das duas)...



II.

Escrevi em meu artigo sobre a Jedi Church: achamos que uma religião do livro faz sentido, e torcemos o nariz para uma religião do cinema. Depois da religião do cinema, agora surge a religião do Grammy: The National Church Of Bey. Quanta discussão temos aqui, não?

Publicação by Osvaldo Luiz Ribeiro.


III.

O que te comove te é urgente.
Tudo que tu adias é-te secundário...
Aqui, agora, é que tu estás.
Ontem, teu cadáver,
amanhã, teu aborrecimento.
O que te comove te é contemporâneo.

Publicação by Osvaldo Luiz Ribeiro.


IV.

Podem repetir que não sete mil vezes, mas, cá entre nós, foi, sim, só pelos vinte centavos...

Publicação by Osvaldo Luiz Ribeiro.


V.

Sociedade e pesquisa.

A expressão política da sociedade precisa de hierarquia política. A expressão heurística da sociedade, não.

A expressão heurística da pesquisa não precisa de hierarquia política. A expressão política da pesquisa, sim.

Publicação by Osvaldo Luiz Ribeiro.


VI.

O risco do poeta é gostar mais de dizer do que do que diz...

VII.

Se Igreja é hospital, porque, quando se deixa de frequentar o templo, diz-se que a pessoa abandonou a Igreja e não que ela teve alta? O único paciente que de fato abandona o centro de terapia é o louco, quando foge do hospício.

Que tal adequarmos a linguagem e as metáforas?

Decide: ou se tem alta ou aquilo é Juqueri...

Publicação by Osvaldo Luiz Ribeiro.


VIII.

Respeito quem goste. Mas eu não consigo ouvir Ed Motta. Ele me transmite a sensação (falsa?) de que gosta mais do som da própria voz do que das músicas que canta, mais das firulas (para mim, horrorosas) que inventa, sempre para enamorar-se da própria garganta, do que das fímbrias da melodia...

Cancelo a execução, ponho Tsubasa Imamura e pronto, ouço música, e não uma voz que se ama acima de qualquer coisa...

Publicação by Osvaldo Luiz Ribeiro.


VIII.

Em toda caixa de lápis de cor, uma infiltração petista na mãos das crianças...

Publicação by Osvaldo Luiz Ribeiro.


IX.

Nas veias de todo coxinha, ah, quando ele descobrir, corre um líquido petista...








OSVALDO LUIZ RIBEIRO

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Sobre ombros de gigantes


 

Arquivos de Peroratio

Ocorreu um erro neste gadget