sábado, 7 de setembro de 2013

(2013/1015) Sobre quem teria feito o Big Bang


Que bela cachoeira... O que a fez?

A água, no subsolo, que enche os rios, mais a chuva, mais o terreno, mais a altura...

O que fez a água, os rios, a chuva e o terreno?

Foram processos geológicos potentes e antigos, próprios do planeta...

O que fez o planeta?

Processos cósmicos, relacionados a estrelas, gravidade, fragmentos dispersos, que se unem.

O que fez os processos cósmicos?

A história do Universo...

O que fez a história do universo?

O desenvolvimento aleatório e tendente à regulação, próprio do início desse mesmo universo.

O que fez esse início?

Um evento singular, traduzido em termos de uma expansão inimaginavelmente grande, rápida e incoercível de uma infinita concentração de massa-energia...

E quem fez isso?

Heim?

Sim, quem fez essa concentração inimaginavelmente grande, rápida e incoercível de infinita concentração de massa-energia...?

Como assim quem fez?

Sim, você foi retroagindo todos os fenômenos à sua causa imediata e terminou com a expansão blá blá blá... Quero saber agora quem fez isso...

Bem, se você me pergunta o que fez isso, continuamos. Mas quero saber por que você trocou o pronome interrogativo...

Como assim?

Até esse ponto, você, adequadamente, perguntava pelo que tinha feito tal e tal coisa. Agora, em lugar de perguntar, de novo, o que fez a expansão, pergunta por quem a fez. Por que está perguntando por quem e não pelo quê?

Porque é aí que está a prova de que Deus é o iniciador de tudo...

Não, meu caro. Prova nenhuma. Se prova há é a de que você humaniza o processo - já que Deus não é outra coisa que a humanidade projetada. Como os homens criam coisas, você pergunta por que homem, que super-homem, que feuerbachiano super-homem, seu Deus, teria criado todas as coisas, quando, a rigor, deveria apenas continuar a infinita séria de perguntas: o que fez, não quem fez.

A pergunta de tipo o que fez é natural, óbvia - é, mesmo, científica. Todas as coisas que encontramos no universo são efeitos de causas anteriores. Todas. Logo, quando encontrarmos alguma coia que pareça ser a original, deveremos continuar a pergunta: o que fez isso?, qual a causa disso?.

Quando, todavia, você muda a pergunta: passa a perguntar quem fez isso? e não o que fez isso?, passa o controle da operação crítica para o mito. Já tem a resposta mitológica - em seu mito, o seu Deus, não os dos outros, naturalmente! (também isso é próprio dos mitos [sempre são os nossos deuses, nunca os dos outros), criou isso. Assim, você fica na estrada, como um bandido e salteador, espreitando o momento de nos roubar a lucidez, e enfiar-nos seu mito goela abaixo, se somos tontos o suficiente, ou crédulos um tanto...

Pergunte-me o que fez a expansão e hei de considerar você uma pessoa com quem vale a pena manter uma conversa. Pergunte-me quem fez a expansão e tratarei você como um crente dogmático (marxianamente alienado, freudianamente neurótico) ou um crente trapaceiro (não, certamente, em sentido huizinganiano).

Pode escolher.

Nos dois casos, não conversaremos mais - pelo menos não sobre isso.

Ah, e quanto à pergunta: o que fez a expansão?, não temos a mínima ideia (ainda?). Não temos olhos, mãos, ouvidos, boca e nariz grandes o suficiente para tatearmos esse escuro insondável (ainda?). Talvez nossa espécie tenha chegado, aí, ao seu limite heurístico. Mas nem isso, sequer isso, se pode afirmar.

Passar bem.







OSVALDO LUIZ RIBEIRO

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Sobre ombros de gigantes


 

Arquivos de Peroratio

Ocorreu um erro neste gadget