domingo, 10 de março de 2013

(2013/228) Sobre a graça


Não penso a graça a partir do pecado original, doutrina que considero abominável - o sucesso inesperado e cruel de um mito judaico criado por judeus e para judeus, transformado em máxima de controle social e, hoje, neurose obsessiva para a manutenção do narcisismo delinquente da fé...

Não, não penso a graça tendo como pano de fundo a demência sacerdotal de Jerusalém.

Penso a graça apenas como o diapasão a partir do qual toda a vida humana soa. 

Nenhum de nós é melhor do que ninguém. Cada um de nós sabe de seus demônios pessoais. Cada um de nós carrega seus diabos - seja na carne, seja na alma.

Quando vejo religiosos grasnarem sua hipocrisia sobre os outros, sinto-me ofendido na alma. Quando é a um ser humano que ferem, é a mim, igualmente que ferem.

Somos todos inapelavelmente iguais.

Não somos santos - mas isso não é o resultado de uma queda: isso é o que somos, potencialmente.

A graça é nada mais nada menos do que a concessão aos outros das condescendências que concedemos a nós mesmos.

E se há algo que nós pisamos na lama é a graça.

A hipocrisia evangélica só não é maior do que a sua arrogância e empáfia diante do mundo.





OSVALDO LUIZ RIBEIRO

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Sobre ombros de gigantes


 

Arquivos de Peroratio

Ocorreu um erro neste gadget