domingo, 21 de março de 2010

(2010/256) Que ele me seja favorável


1. Posto que só ele o sabe, que ele me seja, então, favorável, que me queira bem, que cuide de mim, que espalhe as folhas de outono sobre a longa estrada, e que meus pés não doam ao pisar a terra. Posto que só ele o sabe, que ele me seja, então, favorável, que zele por minha segurança e alma, minha vida e corpo, e me abrace com carinho em cada curva do percurso. Só ele sabe. Pois então que ele seja bom pra mim, e que ponha nuvens entre mim e o sol, quando inclemente, e as sopre, quando os raios apenas me quiserem acariciar a pele. Que ele me ponha ribeiros de águas frescas, de que eu beba, e, redobradas as forças, continue. Porque nisso ele e eu somos irmãos - não há como parar, não há como deixar de dar os passos em direção ao amanhã. Posto que é o tempo o senhor de mim, é o tempo o senhor do mundo, é o tempo o senhor de toda a sabedoria e segredo, que ele me conte todas as alegrias que hão de vir, para que eu as transforme em pão e vinho, e me alimente delas, enquanto as espero, enquanto as produzo de as tanto desejar. Ah, sim, só o tempo sabe, só ele tem as chaves. Pois, então, que me abra as portas, todas elas. E que, naquele dia, também ele abra a derradeira porta, e eu me deite em silêncio. E ele, e o tempo, ele permanecerá depois de mim, depois de todos nós. Porque só ele sabe...













OSVALDO LUIZ RIBEIRO

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Sobre ombros de gigantes


 

Arquivos de Peroratio

Ocorreu um erro neste gadget