domingo, 4 de janeiro de 2015

(2015/034) Do novo tabu divino inventado pela teologia europeia: o tabu é novo, a intenção, tão velha quanto o Templo de Jerusalém

O que eu considero muito engraçado é ver que, depois de 1.800 anos de teologia ontológica mitológica clássica, descaradamente fantástica, maravilhosa, mítica, feérica, folclórica, o século XVIII e XIX inventou uma forma ainda mitológica, mas disfarçada, de fazer a mesma coisa: dar a Deus a descrição de Indescritibilidade, preservá-lo das mãos ávidas das classes populares, para a manutenção do status quo.

Há 2.500 anos, os sacerdotes fizeram o mesmo com Yahweh, tornando-o sem forma, inacessível (ao povo!) e estabelecendo a interdição pública do nome sagrado. Doravante, só o clero podia lidar com o divino...

Pois a teologia progressista (!) alemã, a intimista/pietista/erudita, fez a mesma: ao perceber que as massas começavam a assanhar-se, trataram de meter o Deus, até então descaradamente nu, de nádegas e pênis ostentados em cada nave e repartição pública, em burcas teológicas costuradas com retórica filosófico-mística...

Eu entendo o jogo deles...

Desentendo é que nós, em lugar de nos darmos conta do jogo político sórdido que foi esse negócio todo, tratemos tão seriamente a coisa a ponto de dar a ela aspecto ontológico, lidando com a ideia política de um Deus totalmente outro como revelação finalmente compreendida...









OSVALDO LUIZ RIBEIRO

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Sobre ombros de gigantes


 

Arquivos de Peroratio

Ocorreu um erro neste gadget