domingo, 25 de maio de 2014

(2014/504) Quando eu descobri que, então, não havia homens de verdade


Uma vez que inventamos uma fé "racional" (na verdade, ela é racionalização, isto é, tem a forma de razão, mas sustenta-se sobre a crença na doutrina e, a partir daí, tomando-a como verdade, "raciocina"), é preciso compreender a fé que nos ensinam.

Pastor, perguntei, é a fé que salva?

Sim...

Nesse caso, a fé é uma "obra"?

Não, não.

Mas se eu tenho que crer para ser salvo, então a fé é uma espécie de coisa que eu faço, uma espécie de obra...

Não, Osvaldo, porque quem opera em nós o querer é Deus: a fé é dom, é dádiva, é dada: não é obra nossa...

A conversa terminou ali. Nunca mais conversei com o pastor sobre isso. Ali eu já acho que entendi o jogo. Naquela resposta estava o começo da demolição do edifício inteiro: se não era eu a operar, mas Deus, então eu pregava à toa, porque se é Deus que prega e é Deus que faz crer, então quem não crê não crê porque Deus não fez crer... Tudo ficou calvinista demais e, como toda coisa calvinista, uma ilusão: não há verdadeiras pessoas onde não há verdadeiras ações humanas...

Meses depois, os caminhões começaram a recolher os escombros...



Publicação by Osvaldo Luiz Ribeiro.






OSVALDO LUIZ RIBEIRO

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Sobre ombros de gigantes


 

Arquivos de Peroratio

Ocorreu um erro neste gadget