domingo, 8 de setembro de 2013

(2013/1031) Síria, armas químicas e a questão da verdade à luz das estratégias de desmaterialização da verdade


Há teóricos que gostam de desmaterializar a questão da verdade. Estratégias não faltam, desde usar o termo racionalidade para todas as dimensões da vida - racionalidade técnica, racionalidade expressiva, racionalidade normativa, para fazer de tudo isso uma só e a mesma coisa, no fundo, até aqueles que simplesmente se tornam budistas não confessos e tratam a realidade como ilusão...

Casos como o dos ataques químicos na Síria são ilustrativos para as conseqüências da desmaterialização da verdade. Houve ataque químico? Houve acidente químico? Foi o Governo sírio o responsável? Foram os "rebeldes"?

Não há materialidade na verdade - assumamos, como querem os pragmatistas e neo-pragmatistas. Façamos o seguinte, então: votemos. Decidamos no voto se houve e o que houve e, com bombas, como resolver a questão...

Em lugar de investigação séria, dispendiosa e politicamente inútil, na prática (não se vê o Iraque?), decida-se na purrinha, nos dados ou no famoso consenso discursivo público...

Quanto a mim, continuo a preferir que, em assunto sobre o conceito de verdade, o real seja, sobretudo, o principal elemento crítico.









OSVALDO LUIZ RIBEIRO

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Sobre ombros de gigantes


 

Arquivos de Peroratio

Ocorreu um erro neste gadget