sábado, 17 de agosto de 2013

(2013/893) A Teologia da Prosperidade é culpada pela fome do mundo?


Meu amigo Alessandro Petrucci  postou uma foto-montagem no Facebook. Carros, com adesivos gospels (bastante cínicos), do tipo "foi Deus que me deu" e, ao lado, famintos de África e, então, sapecou o comentário, que aplaudi: Deus podia parar de dar carro para uns e dar comida para outros...

Perfeita sacada...

Genial.

Mas, então, se empolgou.

Achou de comentar que a culpa é da Teologia da Prosperidade e afins...

Não, não é. A Teologia da Prosperidade reapareceu recentemente, mas é mais antiga. É bíblica, até. Está em Malaquias 3,10. Esteve na cúria romana, e levou à revolta do monge Lutero. Mas não foi, jamais, a pedra de toque da fé cristã...

E, todavia, Deus sempre deu algumas coisas para uns e pouca comida para os pobres. Mesmo o Novo Testamento, em momento de triste flagrante de naturalização dos fenômenos políticos-sociais, disse que pobres são coisas que brotam da terra, e dos quais não temos como nos livrar.

Antes do Cristianismo, havia fome e miséria no mundo. Depois dele, continuou a haver. E, com ele, Deus deu muitas coisas a muitos cristãos - terras (tomadas de bárbaros, de índios e de negros), por exemplo. E Deus sempre deu pouca comida aos famintos, preocupado, sempre, com questões de doutrina...

Não, a Teologia da Prosperidade pode ter seus pecados, ah, e os tem, mas a fome do mundo e a crítica dos ateus não precisa dela para cair sobre nossa cara: todos os dias, desde o início, nos esforçamos por merecê-las...







OSVALDO LUIZ RIBEIRO

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Sobre ombros de gigantes


 

Arquivos de Peroratio

Ocorreu um erro neste gadget