quinta-feira, 11 de julho de 2013

(2013/721) Experiência do sagrado - a religião não é a sua única expressão


O século XX trouxe à tona uma forma de experiência do sagrado que dormia, a despeito de iniciações anteriores: a cultura pop de massa, a liturgia de shows como o de Florence and The Machine...

Para todos os fins, está-se, aí, em culto.

Não resolve a distinção de que, na religião, há o discurso de uma "outra realidade" por trás da cena: é sempre na cena, no xamã, do padre, no pastor, que tudo começa e acaba...

É a mesma coisa aqui: não há uma deusa além daquela que encena sua catarse litúrgica, eventualmente, com as mesmas substâncias xamânicas - se me entendem...

Não acredito que substitua a religião.

Para alguns, todavia, sim - e com superiores vantagens...

Estou, todavia, apenas dizendo que a religião é uma experiência do sagrado. Uma, não "a". É apenas a concentração histórica de uma forma embrionária bem-sucedida. Mas está longe de ser a única forma de experiência do sagrado...






OSVALDO LUIZ RIBEIRO

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Sobre ombros de gigantes


 

Arquivos de Peroratio

Ocorreu um erro neste gadget