quinta-feira, 21 de março de 2013

(2013/299) Por que as mulheres foram tornadas malditas em Gênesis 3?


1. A tese não é minha.

2. Não vou apresentá-la como se fosse minha.

3. Se há algum mérito de minha parte é, se li certo, tê-la entendido.

4. Mas quem disse o que eu vou dizer, se leio certo, é alguém que viveu por volta do século V ou IV antes da era comum, talvez, mas não certamente, uma mulher, de qualquer forma, o autor ou a autora de Cantares de Salomão.

5. Aliás, em breve a Estudos Teológicos, da EST, publicará um artigo meu sobre o confronto entre Ct 7,10 e Gn 3,16 - enquanto escrevo no Peroratio e no Facebook, também escrevo artigos Qualis... Aqui é a divulgação, o resumo, o resultado de horas de reflexão e exegese...

6. Volto a Cantares...

7. Eis a tese.

8. O Templo tornou a mulher maldita por duas razões: a) primeiro, para impedi-la do exercício sagrado e b) para entregá-la como moeda de troca ao homem.

9. O homem camponês também é vítima do Templo - seu estado fundamental, estado de trabalho, é, igualmente, dado como maldito: a terra, fonte de seu sustento, é amaldiçoada. Deus o castiga. Mas, ao mesmo tempo, Deus precisa dele - ele tem que trabalhar, produzir e entregar recursos ao Templo. Da terra que Deus amaldiçoa, ele tem que tirar o sustento e, além do sustento, tirar o excedente para sustentar Deus...

10. E vai ficar por isso mesmo?

11. Não, há compensações.

12. Qual?

13. Legitimando, em Deus, o domínio que ele pode ter sobre a mulher. O camponês se submete a Deus - isto é, ao Templo (maldito seja!) e, em troca, Deus - isto é, o Templo (maldito seja!) submete a mulher ao homem.

14. No acordo político-social, teológico-religioso, a carne e o corpo da mulher entram como moeda de troca: os machos, de qualquer modo, dançam a dança de Deus sobre o sexo da mulher...

15. E por que a maldição "cola"?

16. Por que a sociedade acatou a mentira?

17. Por que os machos camponeses sentiram-se satisfeitos com a compensação: eram reis sobre os corpos das mulheres, conquanto escravos malditos na mão do Templo...

18. Aqui, a crítica mais extraordinária da Bíblia Hebraica - a Amada em Cantares diz, com todas as letras: se tu, meu homem, a quem deseja a minha carne, tivesse ficado do meu lado, dito não ao canalha de doze joias, eu não seria maldita...

19. Mas tu disseste sim a eles, aceitaste a maldição do meu corpo, para, em troca disso, ter-me como escrava e comida.

20. Tu me traíste, meu amor...

21. Deus não tem nada a ver com isso...

22. Ela, então, tomada de desejo, convida-o para os campos, a colherem... mandrágoras...

23. Mais não conto.

24. É o livro mais inspirador que já li na vida.

25. Primeiro, chorei. Chorei copiosamente...

26. Depois, a amei com todos os ossos do corpo.

27. No fundo, Bel é bem essa mulher...

28. Nunca se curvou a sacerdotes...

29. E ama e deseja com toda força e lucidez...

29. Desconfio que o espírito da Amada ronda nossa casa...

30. Mas, com certeza, há uma amada lá...





OSVALDO LUIZ RIBEIRO

(PS. para os alunos da Unida: se desejarem o curso de Cantares, façam lista com pelo menos 20 nomes garantidos, com dia possível, e abro o Curso de Extensão).

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Sobre ombros de gigantes


 

Arquivos de Peroratio

Ocorreu um erro neste gadget