quarta-feira, 13 de março de 2013

(2013/237) Parteiras e coveiros


1. As mãos da parteira te trazem ao mundo...

2. As mãos do coveiro te levam embora.

3. Uma história a quatro mãos: de parteira e de coveiro...

4. Na primeira linha, choro e sorrisos.

5. Na última, choro e tristeza...

6. Com as mãos das parteiras, água...

7. Com as mãos dos coveiros, terra...

8. Assim te fizeram, criatura: água e terra, terra e água, barro de viver um pouco, mas só um pouco...

9. No olhar da parteira, o princípio de prazer...

10. No olhar dos coveiros, o princípio de realidade...

12. Nu estavas na cova da mulher, e as parteiras de vestem...

13. Vestido tu chegas às mãos coveiras, e a cova te despe...

14. Cobres-te de linho e algodão...

15. Mas é para os vermes que os levas...

16. As parteiras são a destra de Deus...

17. Sua sinistra, os coveiros...

18. Não percas isso de vista.





OSVALDO LUIZ RIBEIRO

Um comentário:

Débora Tavares disse...

Também, como poeta, você é genial. Vim ao mundo pelas mãos de uma parteira, e enquanto os coveiros não chegam, os corvos fazem a festa...

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Sobre ombros de gigantes


 

Arquivos de Peroratio

Ocorreu um erro neste gadget