sexta-feira, 19 de dezembro de 2014

(2014/801) Sobre a crítica dos mitos

Uma perda de tempo criticar o conteúdo dos mitos. Diante deles, só a ironia e o sarcasmo refinado. A crítica acadêmica eu reservo para o jogo em si - o jogo chamado religião-e-teologia. Não há salvação para esse jogo que não seja assumir-se como invenção e jogo, sem escamoteações.

A manutenção do jogo na forma clássica é, para mim, um despropósito - ópio indiscutível na veia:na própria ou na dos fieis.

A transformação da retórica do jogo em metáfora me soa uma desonestidade infinita com os fiéis - porque eu NUNCA vi uma comunidade, cujo líder adota, pessoalmente, essa saída, ter consciência disso: para a comunidade, quando se fala de ressurreição, está-se falando de coisa semelhante a abrir a geladeira ou pisar em um prego...

Depois do XIX, essas duas saídas me parecem fugas da realidade - seja por ignorância e teimosia, seja por cálculo.










OSVALDO LUIZ RIBEIRO

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Sobre ombros de gigantes


 

Arquivos de Peroratio

Ocorreu um erro neste gadget