sexta-feira, 19 de dezembro de 2014

(2014/799) Deus e o Diabo na boca do teólogo


A desgraça é quando o teólogo dana a falar sobre Deus e o Diabo como coisas em si, como grandezas reais para além das representações da cultura (ele está a pregar, senhores!) e não como seres de espírito que habitam a cultura humana, o mundo das ideias criadas pela espécie. Nem Deus nem o Diabo são estáveis nas suas representações: desde a sua invenção até hoje, sofreram inúmeras transformações, amalgamentos, excisões, de sorte que o que deles se pensava há dois mil anos, mil, quinhentos, não era a mesma coisa que é hoje. E mais ainda, não são pensados da mesma forma em todas as comunidades - na prática, há tantas representações de Deus e do Diabo quantos sejam os grupos político-religiosos analisados.









OSVALDO LUIZ RIBEIRO

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Sobre ombros de gigantes


 

Arquivos de Peroratio

Ocorreu um erro neste gadget