terça-feira, 22 de abril de 2014

(2014/300) Se eu tivesse sido pastor i


Não há mais qualquer chance disso vir a ocorrer, mas, se eu fosse pastor, trabalharia para a construção de uma comunidade que rompesse com todos os julgamentos, todos os preconceitos, todas as inquisições, nem que na comunidade ficassem apenas eu e mais duas ou três pessoas.

Nenhuma discriminação de sexo - nenhuma. Gays seriam tão bem-vindos quanto quaisquer outros. Nenhuma discriminação social, religiosa, de qualquer tipo. Talvez eu só não gostasse de coxinhas...




Seria uma comunidade radicalmente aberta e livre.

Não sei nem se eu precisaria usar o nome pastor...

Poderíamos ser de tradição protestante, e de prática Bahai - se me faço entender...









OSVALDO LUIZ RIBEIRO

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Sobre ombros de gigantes


 

Arquivos de Peroratio

Ocorreu um erro neste gadget