sexta-feira, 28 de março de 2014

(2014/057) Acabar com a fome como se acabou com a alienação

Quando o estabelecimento religioso e filosófico deu-se conta do diagnóstico de Marx, o constrangimento percorreu todas as salas de aula, e as sumidades da moda andaram - todas - de cabaça baixa. Tão alto soara a declaração, tão altissonante se berrada dos telhados - alienação! - que não era coisa fácil negligenciar a leitura.

Mas os dias passaram e o eco tornou-se mais fraco.

Um belo dia, alguém gritou, ah, que se dane, a alienação era, afinal, apenas uma coisa dita, sem fundamento...

Pronto. Os passarinhos voltaram aos gorjeios, as janelas das salas de aula voltaram a se abrir, o sol, a entrar, todos risonhos e felizes, outra vez - como se nunca tivessem sido alienados, como se ainda não o fossem...

Eu me pergunto porque não se acaba com a fome por meio do mesmo método, do mesmo gesto, da mesma prestidigitação retórica, do mesmo auto-engano...

É que a fome não se disfarça, Osvaldo...






OSVALDO LUIZ RIBEIRO

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Sobre ombros de gigantes


 

Arquivos de Peroratio

Ocorreu um erro neste gadget