quarta-feira, 5 de março de 2014

(2014/045) Conformópolis - Di Melo (1975)





A cidade acorda e sai pra trabalhar
Na mesma rotina, no mesmo lugar
Ela então concorda que tem que parar
Ela não discorda que tem que mudar
Mas ela recorda que tem que lutar

Condução lotada, apertada, de pé
A cidade desce no Largo da Sé
Mecanicamente ela mostra ter fé
Na proximidade de um dia qualquer
E na Liberdade ela toma um café

Escritório, chefe, o cartão pra marcar
O magro sanduíche engolido num bar
Ela então desperta, ela tenta gritar
Contra o que lhe aperta e que lhe faz calar
Mas ela deserta começa a chorar





OSVALDO LUIZ RIBEIRO

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Sobre ombros de gigantes


 

Arquivos de Peroratio

Ocorreu um erro neste gadget