segunda-feira, 16 de dezembro de 2013

(2013/1426) Do que (me) restou do Natal


Do Natal, permanece em mim a mágica da infância, a memória doce do presente pobre, da paupérrima ceia, da falta de tudo, menos da atmosfera de magia, de encanto, de sublimidades e excitações ingênuas...

O homem que me tornei sabe de todas as coisas por trás do Natal. O homem que me tornei não comemora nada, absolutamente nada, do Natal...

Mas a criança que fui e ainda está aqui ainda sente o gosto da pouca rabanada e aquela vontade raramente satisfeita de comer azeitonas. E, se fecho os olhos, ainda posso ver a cor do plástico daquele brinquedo surpresa, daquela Natal em que, fomos avisados, não haveria brinquedos...

A criança em mim ainda gosta de pensar que o Natal é tudo o que ele não é de fato.









OSVALDO LUIZ RIBEIRO

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Sobre ombros de gigantes


 

Arquivos de Peroratio

Ocorreu um erro neste gadget