terça-feira, 22 de outubro de 2013

(2013/1193) Da ilusão de ser ilusão


À nossa volta, tudo é ilusão: o mundo não é o que se nos apresenta, mas, para nós, é tudo que teremos dele. Dor, alegria, paixão, tudo isso são efeitos circunstanciais, passageiros, ilusórios - verdadeiros apenas para essa singularidade do universo, o eu subjetivo/objetivo, que engendra a ilusão e vive nela. Mesmo esse eu é ilusão, é a emergência fortuita de um acaso bem sucedido... 

Se dou um passo a mais, faço-me budista. E, todavia, não o dou: esse sujeito, essa ilusão, esse sujeito é ilusão apenas se olho para ele desde o mundo, desde o universo. Todavia, se olho para ele desde ele mesmo, aqui e agora, esse feixe de percepções e criação, não há nada de ilusório aí - há a vida.

Fortuita, que seja, passageira, que seja, antropológica, vá lá: mas é a vida. E isso sou eu.

Lembre-se que o fogo é uma ilusão dos sentidos...

Mas, por favor, não ponha a mão nele...








OSVALDO LUIZ RIBEIRO

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Sobre ombros de gigantes


 

Arquivos de Peroratio

Ocorreu um erro neste gadget