domingo, 21 de julho de 2013

(2013/765) Do que a religião ainda pode dar conta


A religião não sabe lidar com a realidade - não é ferramenta para isso. Se a religião disser "isso é isso", ela o diz no campo do mito. Sempre - todas e quaisquer religiões, mesmo aquelas que se dizem científicas. Eventualmente há, aí, um insight - e é dessa forma que se deve tratar a coisa - uma intuição. Diante disso, dar o tratamento adequado, crítico, investigativo, analítico. Jamais, a crença cega e obediente...

A religião deveria manter-se, apenas, em dois campos: político e estético: relações e valores, beleza e afetividade.

A religião deveria, definitivamente, abandonar sua neurose de achar que tem algo a dizer sobre a vida enquanto fenômeno, sobre o mundo enquanto fenômeno, sobre o homem, enquanto fenômeno. Não tem - não há volta: a ciência é a encarregada de nos dizer o que as coisas são...

Mas ainda há campo para a religião, de forma sempre auto-crítica e sem pavoneamentos revelatórios e eclesiásticos, tratar das relações humanas, das coisas éticas, morais, até, vá lá, da beleza e do belo, da afeição e dos sentimentos...

Não me incomodaria uma religião assim.

A de hoje, considero, na forma como participa da vida pública, crime de lesa-cidadania.






OSVALDO LUIZ RIBEIRO

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Sobre ombros de gigantes


 

Arquivos de Peroratio

Ocorreu um erro neste gadget