quarta-feira, 3 de julho de 2013

(2013/675) Eternidade sem sentido


Naquele instante, que, oxalá, não toque nunca,
hei de, fechando os olhos, lembrar teu gosto.
Não levarei os sons de livros folheados
nem o cheiro das bibliotecas de Lisboa.
Sentir na língua o gosto do teu corpo:
e redimir-me na insensível eternidade...














































https://www.facebook.com/osvaldo.l.ribeiro/posts/997826936964543

OSVALDO LUIZ RIBEIRO

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Sobre ombros de gigantes


 

Arquivos de Peroratio

Ocorreu um erro neste gadget