sexta-feira, 15 de março de 2013

(2013/245) Dragão Azul


1. Ele era um Dragão do Céu, azul como o dia claro e profundo como o infinito... Mas, um dia, as curvas morenas de Portugal, suas ondulações e pelos, sua tez aveludada e saborosa, suas insinuações de carne e corpo, a boca entreaberta de um um vale e o decote das colinas, o úmido e o quente, o excitantemente erótico balançar do trigo e dos olivais derrubaram-no...

2. Dragão Azul...


3. Dizem que ele ficou triste e chora...

4. Mentira... Está, até hoje, em coito eterno com a terra, a escorrer-se em gozos de primavera...






OSVALDO LUIZ RIBEIRO

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Sobre ombros de gigantes


 

Arquivos de Peroratio

Ocorreu um erro neste gadget