terça-feira, 1 de março de 2016

(2016/030) Sobre pastoral


I.

Na minha opinião: ele ama a Deus, é mitófilo, ama a doutrina, é dogmófilo, ama a administração, é administrador, ama a pregação, é pregador, ama o dinheiro, é salafrário, ama as meninas, é canalha, ama a denominação, é carreirista...

... Só é pastor mesmo se ama as pessoas, o que não tem nenhuma relação necessária com as questões acima elencadas. Porque, na maior parte das vezes, amar as pessoas, no discurso pastoral, é a mesma coisa que respeito à democracia na boca da Hilary Clinton.



II.

Não tem uma CPA para avaliar pastorados. Mas, se tivesse, o único item de avaliação seria o seguinte: trabalhou para a autonomização das pessoas? O índice de reprovação seria de mais de 95%...



III.

Se eu amasse suficientemente gente, eu até talvez fosse pastor, e se eu tivesse suficiente coragem e desprendimento, talvez eu fosse um político profissional. Como eu não amo suficientemente gente e como não tenho a coragem e o desprendimento para a batalha partidária, vou ficando aqui em minha cadeira mesmo...









OSVALDO LUIZ RIBEIRO

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Sobre ombros de gigantes


 

Arquivos de Peroratio

Ocorreu um erro neste gadget