quarta-feira, 30 de abril de 2014

(2014/384) Já que os deuses se foram...


As imagens que encontro, aos borbotões, são belas... A sessão de hoje, em tons pastéis claros, suaves, de talco e sabonetes leves, são tão indecentemente belas, tão insuportavelmente encantadoras, que a tentação é salvar todas, inundar minha página com elas...

Mas a beleza é como o sagrado: onde tudo é belo, nada é belo, onde tudo é sagrado, nada é sagrado...

De tanto sagrado, a Igreja tornou-se dessacralizada, túmulo das emoções vazias, enganando-se de espiritualidade...

Deixemos o belo para o pouco, o parco, o mínimo...

Deixemos que ao menos o belo sobreviva, já que os deuses se foram.









OSVALDO LUIZ RIBEIRO

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Sobre ombros de gigantes


 

Arquivos de Peroratio

Ocorreu um erro neste gadget