sábado, 28 de junho de 2014

(2014/690) Sobre a administração religiosa programática de feeis


Por que o administrador religioso precisa reforçar, de 15 em 15 minutos, a necessidade de o fiel entregar-se aos ritos da fé - orar, ler a Bíblia, ir ao culto, dizimar, adorar e qualquer outra coisa que se invente?

Eu penso que seja pela consciência que o administrador tem (é intuitivo!) que esse mundo religioso em que o fiel está enfiado é como uma névoa matinal - quando o Sol arde, forte e claro, iluminado e quente, ela se dissipa, e a realidade vem à tona...

Uma vez que esse mundo religioso é como aquela névoa, é preciso manter a temperatura, a atmosfera, o clima, a umidade, e, sobretudo, afastado o Sol.

Para o fazer, insiste-se na ininterrupta prática dos ritos, pequenos que sejam, desde que sejam ininterruptamente levados a bom termo.

Com o corpo e a alma entregues dia sim e dia também, de hora em hora, full time, aos ritos programáticos administrados, dificilmente o religioso se dará conta, com a própria consciência livre e liberta, do mundo de névoa em que vive...

Vejam que não estou - nesse post - discutindo se esse mundo de névoa é bom ou ruim. Acho que é no mínimo potencialmente ruim, Mas não estou dizendo isso aqui. O que estou dizendo é que ele é mantido pela administração programática de doses controladas de cortinas e quebra-sóis...


OSVALDO LUIZ RIBEIRO

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Sobre ombros de gigantes


 

Arquivos de Peroratio

Ocorreu um erro neste gadget